Month: Março 2015

5 Empenos Sertã

Sábado e pela nona edição, realizou-se na Sertã o tradicional ajuntamento de pessoal para a tradicional volta dos 5 empenos. Tinha conhecimento deste evento à anos, desde o início, mas fui adiando e adiando e estava a ser completamente totó, já que terá sido das melhores coisas que fiz em BTT à data(Já lá vamos)! Este ano é que foi mesmo, 9:30 estava no local combinado para a partida, eu e mais uns 38, mais coisa menos coisa!

Cumprimentos feitos, velhos conhecidos abraçados e seguimos! O percurso para mim era à escura, sabia que teria mais de 50Klm’s e menos de 100, relativamente à altimetria deram dados mais concretos, mais de 1000+ e menos de 3000+! Justo!

A volta tem como tradição a deslocação desde a Sertã a Vila de Rei, desconhecia ambos! O ponto forte ou um dos pontos fortes disto é que se espera uns pelos outros (graças a Deus), ninguém fica para trás, é tudo ao molho desde o início ao fim, brutal! A ida para Vila de Rei, falando de BTT agora mais à séria era complicada, muitos pequenos topos, sempre constantes, não havia zonas onde se pudesse rolar e despachar mais serviço, a última subida para o marco geodésico de Vila de Rei mete respeito, fui bastante abaixo nela e temi o pior, o marco era enorme já o estava a ver à distância à tempos, agarrá-lo é que nunca mais, mas como sou chato lá consegui chegar, praticamente em último…ok, em último! Chegámos a Vila de Rei com 35Klm’s julgo, na minha cabeça tinha que fazer mais do dobro ainda até porque a coisa poderia chegar aos 100, para o ano já não me enganam (não devia ter dito isto).

Mas eis que em Vila de Rei e após um magnífico pão com chouriço, dois ice-teas e um café (não se esqueçam), “puff” deu-se o chocapic! O percurso ajudou, não havia tanto topo seguido, as subidas eram mais daquelas de moer, como tal e milagrosamente senti-me bastante melhor (pelo menos a mim pareceu), bota lenha que é sempre a andar. Muito mais fresco, hidratado, mais força, parecia outro ou pelo menos fiquei com essa impressão, até mais fotos tirei, já tinha mais tempo!

Chegamos à Sertã rente ao escuro, posso, devo e digo que curti à brava tudo, percurso, empeno, mas especialmente ver e apreciar o companheirismo e amizade entre os mais antigos e a forma espontânea como recebem os pára-quedistas como foi o meu caso!

Resta-me agradecer ao grande promotor desde o início disto, o Pedro Ferrão, ao mesmo tempo pedir desculpa por só ter ido este ano, que NABO!

As fotos possíveis, não tirei mais porque o pessoal até esperava, mas não tanto!

No Strava:

Desafio Bidbikes QPM 2015

Este último Sábado a convite de um amigo da equipa BidBikes rumei até Leiria para participar num desafio organizado por eles. O evento era gratuito, seguido por GPS, no total teria 125Klm’s com cerca de 2500+ de desnível acumulado.

Fazia já bastante tempo que não fazia mais de 100Klm’s de uma virada, tenho andado mais durante a semana e senti que estava ao meu alcance! O arranque deu-se pelas 8:20 da manhã. Os primeiros Klm’s foram feitos em direcção à zona do Juncal, muito pinhal, estradões, uma subida aqui e ali mas nada de grave. A partir do Klm’s 45, aí sim, a entrada na Serra de Aire e Candeeiros trouxe os primeiros problemas graves do percurso!

O almoço estava à espera num restaurante no topo da serra, não me peçam nomes de terra que não fixo nada, sei que era lá bem no alto, numa aldeia isolada, vi-me grego para lá chegar, uma subida de vários Klm’s com pedra constan te, daquela chata que “patina” por todo o lado. Passado meia hora, o restaurante, um belo de um bife de vitela aqui para o menino com o resto do pessoal que ia chegando.

De barriga cheia saímos um grupo de 20+/- do restaurante para fazer a outra metade do percurso em falta, mais de metade(mas pouco). Aqui e nesta fase a pedra foi constante, não me queixo, é do que gosto! Foto aqui, dificuldade ali, com um single espectacular pelo meio carregadinho de pedra onde no fim nem sentia as mãos, lá chegámos a Porto-de-Mós (Ufa). Após Porto-de-Mós o percurso acalmou um pouco, mais rolante, sem pedra, tudo nas calmas mas com um bom ritmo até à Batalha, local onde estava a primeira fuga do percurso para quem quisesse, do meu grupo seguimos todos pelo track da verdadeira “malha”.

O ritmo abrandou um pouco, apareceram mais subidas aqui e ali e o tempo ia escaciando, faltava a última grande subida em direcção à Sra. do Monte, ou pelo menos nessa direcção. O tempo estava a ficar muito curto e decidiu-se não fazer essa parte pois iriamos concerteza chegar de noite a Leiria e fazer boa parte do percurso sem luz. Chegados às Cortes (perto) seguimos por alcatrão para Leiria.

Terminei com 109Klm’s, e cerca de 1900m+ de acumulado, vinha já bastante desgastado mas satisfeito com o meu comportamento geral durante o percurso, não fazia este tipo de distâncias em Btt à muito e estava meio receoso, julgo estar no bom caminho e a recolher os primeiros frutos das voltas semanais que tenho efectuado!

Obrigado aos amigos Bidbikes pelo convite e aos companheiros de grupo durante o percurso, a repetir!

Fiquem-se com as fotos:

No Strava:

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén