Month: Novembro 2015

BTT Alvaiázere

Na minha visita na semana passada à nascente do rio Tordo ficou um “amargo” de boca por não me esticar mais para “dentro” da zona de Alvaiázere. Ficou decidido que hoje iria voltar a passear por algumas das belas localidades serranas deste concelho que muito tem para oferecer, sério!

Como tal arranquei bem cedo de casa, por volta das 8:00, o tempo apesar de Inverno estava ameno. Foi com um enorme agrado que voltei a passear a “burra” por terras como o Bofinho, Almoster, Ariques, entre outras, pelo caminho e só por curiosidade aquando da minha passagem pelo Bofinho quase que fui obrigado por um pastor a subir ao “queixo”, para quem não sabe este é o nome que alguma malta minha conhecida dá ao topo da serra de Alvaiázere, é uma subida e tanto, hoje não estava com disposição para grandes transpirações e vi-me perdido e achado numa acessa mas saudável discussão com o homem para encontrar um caminho que fiz à já muitos anos naquela zona, tenho a certeza que passei na entrada deste mas o homem insistiu que aquilo não tinha passagem e como já era cabras aos saltos por todo o lado, fiz por outro lado, também porreiro!

Terminei (quase) percorrendo os caminhos de S.Tiago até Ansião, depois foi sempre a rolar até casa junto ao Nabão, Ramalhais e casa.

Belíssima manhã de btt. Fiquem-se com as fotos:

Strava:

Visita ao Espinhal

Hoje saí de fininha, na “cigana”, o destino era para ser Ansião mas pelo caminho lembrei-me de esticar um pouco a corda e ir até ao Espinhal. Para lá fiz o caminho corrente que conheço passando pelos Ramalhais, Venda do Brasil, Torre de Vale Todos e finalmente o Espinhal.

O Espinhal é uma aldeia pertencente ao concelho de Penela, aldeia bem pitoresca com inúmeros motivos de visita, desde a Igreja matriz ou a belíssima capela de Santo António do Calvário, passando pela praia fluvial da Louçainha, Pedra Ferida, enfim um sem número de razões para dar um salto até lá.

Obviamente hoje ia sem tempo para ir a todo o lado como tal restringi-me mais ao miolo da aldeia onde aproveitei para um café na pastelaria “Marujo” estabelecimento onde geralmente paro, sempre que estou de passagem.

Era tempo de regressar a casa após algumas fotos, o caminho de regresso fez-se pelo IC3 em direcção a Avelar e a ideia era mesmo vir IC8 acima até Ansião. Isto não foi possível pelo que antes da entrada para a IC8 verifiquei que era interdito esta zona a “bikes”. No cruzamento à procura de alternativas pedi indicações a um camionista que ali apareceu, logo me indicou uma alternativa até Ansião, foi o caminho que tomei, esta ligação secundária apresentou umas belas picadas pelo meio.

Chegado a Ansião e ainda sem levar com um pingo de água em cima foi então altura de levar com ela toda, até à aldeia do Mogadouro nas margens do rio Nabão “comi” com ela toda. Daqui até casa céu quase limpo! Não deu tempo foi para enxugar 😉

Fotos:

Strava:

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén