Month: Junho 2016

Serra Amarela, o Açor

Já à muito que desejava percorrer algumas aldeias perdidas no centro de Portugal, entre elas Piodão, Aldeia das Dez e Avô. Ontem foi o dia em que isso aconteceu tendo conseguido “enganar” mais três amigos.

O track foi preparado em casa por mim, meio às escuras, estava preparado para o pior e para o melhor. O arranque deu-se em Arganil por volta das 8:30. O primeiro ponto de interesse seria a Fraga da Pena, cascata belíssima que surge logo ao fim das duas primeiras horas de pedalada, chegar lá foi complicado, sair foi uma aventura! A saída fez-se por um caminho pedestre normalmente bastante inclinado e sinuoso, belíssimo, que nos levou ao topo da cascata, neste topo existe outra cascata que penso poucos já lá tenham ido.

Após este primeiro aviso seguimos bem pelo meio da Mata da Margaraça, numa estrada de calçada, plano, com um verde ímpar em todo o nosso redor, aqui começamos a subir para os 1100m de altitude e a partir daqui seria uma valente descida até Piodão.

Chegamos ao Piodão por volta da 13:00, tínhamos 40 quilómetros feitos, acho que nem tanto, a média estava a ser boa! No Piodão almoçamos um belo de um “bitoque”, fiquei contente de aqui vir e conhecer, a aldeia é bonita, diferente, no entanto já começa a ter turismo a mais, muita gente, muito carro, motas, confusão, tivemos que aguardar mesa para almoçar já no fim de nos darem negas em dois restaurantes, é uma aldeia bastante procurada, não fazia ideia.

A saída do Piodão foi feita à meia encosta num trilho pedestre com 2,7 quilómetros, liga a Foz d’Égua, é um percurso muito, muito porreiro, sempre a direito, não muito técnico, dá para embalar bem, é um fósforo até Foz d’Égua. Esta aldeia, outra das que queria visitar é bastante rural, perdida no meio de um buraco, de carro não é fácil lá chegar nem sair, mas vai-se e vale a pena. Aldeia também em xisto, pequena, típica, com certeza cheia de histórias para contar, um local que merece uma visita, podem aproveitar e dar um mergulho na praia fluvial, águas mais limpas é difícil encontrar, muito bom.

O próximo ponto de visita obrigatória era a Aldeia das Dez, mas chegar até lá foi bastante complicado, uma subida bastante complicada em “s” tipo corta-fogo, pedra solta, do pior, foi toda à mão, para mim e para mais dois, foi difícil voltar para os 800 metros, mas passado um bom tempo lá chegamos ao topo. Pelo caminho e nesta fase uma vista fantástica, um amigo comentou que parecia estarmos no Machu Picchu, eheheh, ao fundo a imponente serra da Estrela, não tão longe como isso, viam-se as duas torres com relativa facilidade. Monte ultrapassado era altura de descer e descer, por caminhos nem sempre muito ortodoxos, ainda deu para partir uma maneta de travão traseiro de um companheiro, problema técnico resolvido seguimos para o último ponto de interesse, a Aldeia das Dez, aqui aproveitou-se para uma cola, cafés e contemplar uma vista, que olhem, só vendo….a seguir vinha Avô, mas era sempre a descer 😉

O dia começava a ficar curto e chegados à vila de Avô, sabendo que tínhamos ainda 24 quilómetros até Arganil, decidimos fazer pela estrada nacional abaixo, a rolar e descomprimir da tareia. A chegada a Arganil deu-se pelas 19:00 (aqui começou outra aventura, mas isso fica para outro dia)

Dei o dia por muito bem entregue, já tinha esta rota em mente à muito, mas ontem foi mesmo o dia ideal para a fazer, quem espera sempre alcança.

Até já!

Fotos:

Strava:

II Caminhada Solidária Naturidade – São João do Deserto, Penela

cartaz

No próximo feriado de 10 de junho – dia em que se celebra o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas – a Unidade de Cuidados Continuados de Penela – Naturidade – vai organizar uma caminhada com destino ao S. João do Deserto, o ponto a mais altitude do concelho de Penela.

O ponto de encontro vai ser junto à Unidade, nas Serradas da Freixiosa e vai incluir o almoço, um reforço alimentar durante a caminhada e uma t-shirt. A Câmara Municipal de Penela apoia este evento.
As inscrições ou pedidos de informação podem ser realizadas através do email da Unidade – geral@naturidade.pt ou através do email dos Bombeiros – geral@bvpenela.pt

Tratando-se de uma caminhada solidária, o valor angariado pelo evento será doado na sua íntegra à nossa Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários.

Mais info em: http://www.bvpenela.pt/pagina-principal/35-bombeiros/3258-de-que-estas-a-espera-inscricoes-abertas-ate-dia-7

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén