O dia ontem (sábado) começou bem cedo, às 7:00 da manhã estava já em cima da bike rumo à aldeia do Coentral, em Castanheira de Pêra. Tinha desenhado o track em casa, através do Google Maps e incluía passagem por Ansião, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra, Lousã, Miranda do Corvo, Penela, Rabaçal e casa, estava previsto uma barrigada de bike.

Até Ansião fiz bastante alcatrão pelo caminho comum quando para lá vou de bike, as surpresas estavam guardadas para depois, e foi a partir de Ansião, ainda por alcatrão que entrei rumo ao desconhecido. Ao aproximar-me de Figueiró começaram a aparecer os primeiros troços de terra batida, juntamente com os “problemas”, aquela que até ali se mostrava uma volta rolante tornou-se a partir daqui mais dura, foi sempre no “mato” até esta vila (Figueiró).

Chegado a Figueiró pensava como seria o troço até Castanheira, estava a prever o pior mas enganei-me, foi sempre a rolar por alcatrão pela nacional 236-1 (julgo), foi um salto até Castanheira de Pêra, cheguei por volta das 11:00 da manhã a esta localidade, aproveitei para comer aquela que terá sido por ventura a pior bifana alguma vez feita em Portugal, mas pronto, acabou por saber bem, sabia que a partir dali até à Lousã seria difícil encontrar sítio para comer ou comprar água.

Foi após Poço de Corga em Castanheira que surgiu a primeira grande subida, 7Klm’s sempre a trepar até ao parque eólico de S.António das Neves, as horas passavam e a visita ao Coentral começava a ficar comprometida, estava a ficar muito tarde, e optei por não descer para a aldeia, fiz o contorno da Serra em direcção ao Trevim, ou lá perto, nesta fase ainda deu para banhos e enganos no trajecto, obrigando-me a uma subida imprevista a pé por um corta fogo, tinha sido escusado mas na altura foi a opção que tomei. 🙂

Já no alto da Catraia, na Lousã desci para a vila por Alcatrão, passando pelo Candal, estava sem água e já com pouco dinheiro, era a alternativa a não passar sede 🙂

Meti os pés na Lousã às 14:55, já com cerca de 96Klm’s feitos, faltava o regresso a casa. Este foi feito a uma ritmo médio pelo caminho que costumo utilizar, quase na sua totalidade por alcatrão, o track ainda me tentou desviar mas não havia condições, estava cada vez mais “morto”. Pelo caminho parei em quase todos os apeadeiros para sumos e águas, bebi mais de 5 litros de líquidos nesse dia, de certeza 🙂

A chegada a casa fez-se pelas 18:30, com 166,5Klm’s nas pernas, a previsão era de 138, também não foi muito mais.

Uma dia que era para ser normal, que se tornou “Epic”.

Fotos:

Strava: