Hoje aproveitei para fazer uma visita ao monte do Colcurinho e visitar a respectiva capela ou Santuário construído em honra de Nossa Senhora das Necessidades. O “track” foi-me disponibilizado por um colega das “biclas” e assim bem cedinho parti de casa em direcção a Góis, local onde daria inicio ao percurso, desta vez não fui sozinho tendo levado comigo uma amigalhaço para partilhar a rota.

A saída de Góis desenrolou-se pela nacional 234 em direcção a Arganil, a meio caminho o track enviou-nos por estradas rurais a subir a imponente Serra do Açor, apontamos bússolas para a mata da Maragaça que atravessaríamos não pelo meio mas por cima, ou mais a Sul, bem no alto da serra. O Açor cada vez me cativa mais, tenho esta zona já bem definida como uma das preferenciais para BTT, as vistas são de cortar a respiração.

Continuávamos com um andamento médio/baixo até que avistamos pela primeira vez e bem ao fundo o destino que nos trouxe aqui, o Colcurinho, estávamos ainda a “anos luz” deste e com o acumulado sempre a somar.

A hora de almoço aproximava-se e derivado da total falta de água e alguma fome, numa fase em que nos faltaria pouca distância para o objectivo optámos por descer ao Piodão e abastecer na totalidade, descemos dos 970 metros para os 700 quando já nos faltava apenas 300 metros para o Colcurinho. Foi o melhor pois deu para descansar um pouco e reabastecer de líquidos e sólidos com um belo “bitoque”, eram nesta altura 13h00!

A curiosidade de visitar a capela lá bem no alto deu-nos força para a última grande rampa do dia, e foi com enorme satisfação que me sentei nas escadas daquela igreja bem lá no alto que nunca mais irei esquecer. Todo aquele quadro é ímpar, a Este a imponente Serra da Estrela com as suas duas torres a Sul Piodão e toda uma Serra e montes para descobrir, incrível!

A metade final do percurso era praticamente sempre a descer ou em planos, houve ainda lugar a passagem no Santuário de Nossa Senhora das Preces, local bastante respeitado aqui nesta região, houve ainda tempo para uma cola no Piano, na Aldeia das Dez e para terminar fomos descobrir o porquê do nome “Ponte das 3 Entradas” nesta localidade 🙂

O resto foi feito à beira do Rio Alva até Arganil, com Avô e outras a ficarem para trás!

Valeu muito a pena a ideia, esta ficará na memória para sempre! Fiquem-se com as fotos e boas pedaladas, ou passeios!

Fotos:

Strava: